Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]






Nos tempos actuais, confrontamo-nos com propostas de inovações pedagógicas que, supostamente, vêm substituir as abordagens anteriores, consideradas ultrapassadas, ignorando-se o contributo de inúmeros autores que conceberam e experimentaram teorias, métodos e técnicas de ensino-aprendizagem legando o seu contributo, não isento, é certo, de insuficiências, às gerações posteriores de educadores e cientistas da educação.     

O conhecimento dessas contribuições, não necessariamente numa postura apologética e acrítica, é susceptível de nos ajudar a encarar melhor as novas abordagens pedagógicas que, com o tempo, igualmente, irão sofrer mutações e ou aperfeiçoamentos, posto que a qualidade do acto de educar é uma construção permanente, assim como o é o processo de desenvolvimento integral do homem na perspectiva da sua plena realização nos planos pessoal, familiar, cívico, profissional e social.   

Na tentativa de chamar a atenção para a necessidade de resgatar o legado de pedagogos de anteriores gerações, fazemos aqui breve referência à biografia e ao contributo pedagógico de Maria Montessori.

Maria Montessori, nascida em Itália a 31 de agosto de 1870, foi a primeira mulher do seu país a formar-se em medicina, em 1986), tendo iniciado sua carreira, no ano seguinte, como como médica assistente da clínica psiquiátrica da Universidade de Roma. Desde logo, a partir do contacto com crianças deficientes mentais que eram, em geral, misturados com doentes mentais adultos, nos hospícios, começou a manifestar o seu interesse pela educação. Entendendo que se deveria dispensar a essas crianças um tratamento mais pedagógico do que médico, Montessori empenhou-se em estudar outros modelos educacionais vigentes na Europa, especialmente o método adoptado pelo Dr. Eduard Séguin para o ensino de atrasados mentais, tendo ainda estudado pedagogia e psicologia, o que lhe permitiu formou novos conceitos e c desenvolver o seu próprio método.

Depois de obter sucesso no ensino de crianças retardadas, contribuindo, assim, para o que denominamos por "educação de alunos com necessidades educativas especiais", Montessori começou a aplicar seu método junto a "crianças normais", realizando experiências pedagógicas com resultados surpreendentes, que decorrem do modo livre e participado de organizar as aprendizagens. Como refere a educadora, “as crianças precisavam de um lugar calmo e seguro, onde pudessem escolher suas actividades e desenvolver o raciocínio e a personalidade”.

O sucesso da experiência encorajou-a a fundar sua própria escola, a Casa dei Bambini, cujo modelo foi logo seguido por outras escolas em toda Europa, não obstante  a forte oposição dos defensores do sistema ortodoxo de ensino, que temiam as consequências de um método baseado na liberdade e na auto-educação.

Em 1922, numa altura em que o seu sistema de ensino já se tornara muito conhecida, foi nomeada inspectora-geral das escolas públicas da Itália, mas, com a vitória do  fascismo, as escolas montessorianas começaram a ser fechadas e Maria Montessori viu-se obrigada a abandonar o país, permanecendo durante algum tempo na Espanha republicana, depois em Sri Lanka e na Índia, só tendo voltado ao seu país após a Segunda Guerra Mundial, onde leccionou na Universidade de Roma. 

Mas, em face do seu renome, permaneceu ali por pouco tempo, tendo feito várias deslocações com o propósito de supervisionar a formação de novos professores. Viria a fixar-se definitivamente  em Holanda, onde faleceu a 6 de Maio de 1952.

Numa justa homenagem a esta pedagoga, a Organização das Nações Unidas declarou 1970 (ano do centenário de seu nascimento) como Ano Internacional da Educação.

Montessori escreveu mais de uma dezena de livros versando diversas questões de ensino e educação, de entre os quais se destacam: “Método da pedagogia científica aplicada à educação” (1909), “Auto-educação nas escolas elementares” (1912), “O método Montessori avançado” (1919), “A criança” (1936), “Educação para um novo mundo” (1946) e “A mente absorvente” (1949), no qual se ocupa das crianças com menos de três anos de idade.”



Partilhamos, em seguida, com a devida vénia, dois vídeo-aulas que dão uma visão geral e sucinta da pedagogia de Montessori, ainda de marcante actualidade.


1 - Sobre os princípios gerais do Método Montessori:

http://youtu.be/ZMIdeKR_bak




2- Sobre os três pilares práticos do Método Montessori:


Praia, Cabo Verde, 26 de Janeiro de 2014.
Bartolomeu Varela

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:02



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D