Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O senhor Auditor!

por Bartolomeu Varela, em 07.07.07

Supostamente, a introdução da auditoria nas instituições educativas deveria constituir um passo de grande alcance no processo de promoção da excelência do serviço educativo. Com efeito, a auditoria, que se apoia em métodos e procedimentos científicos e em normas universalmente aceites, visa aferir o grau de eficiência e eficácia das escolas e formular propostas de melhoria.


Ao contrário das modalidades de fiscalização (como a averiguação, o inquérito ou a sindicância), que podem desembocar em medidas de efectivação de responsabilidade disciplinar, a auditoria não tem propósitos punitivos, não visa reprimir os agentes educativos, mas sim ajudá-los, por um lado, a manter, consolidar ou melhorar os aspectos positivos do seu desempenho e, por outro, tomar consciência dos seus pontos fracos e das formas de os superar.

Teoricamente é assim e, na prática, existem muitos bons exemplos a confirmar a teoria. Todavia, nem sempre as experiências de implementação das auditorias têm sido as melhores, por causas as mais diversas, de entre as quais relevam: o défice de formação dos que realizam as auditorias (inspectores, coordenadores e outros); a insuficiente informação dos entes a serem auditados (gestores, docentes e outros agentes educativos). Na verdade, mais vale prescindir de realizar auditorias, nas suas múltiplas modalidades, do que levá-las a cabo de forma incorrecta ou sem que as condições necessárias sejam reunidas.

A seguinte anedota, ao que me disseram verídica, mostra como a implementação apressada ou improvisada de novos métodos no sistema educativo pode ter efeitos contrários aos pretendidos:

Num país europeu, o gestor recebe uma nota da Inspecção Educativa informando-o de que, uma semana depois, seria realizada uma auditoria à sua escola e que o auditor era um fulano que era inspector de educação, por sinal dos mais graduados.

Desconhecendo o que era, verdadeiramente, um auditor – mas, tendo, no passado, recebido uma visita inspectiva que foi para ele uma dura prova–, o nosso gestor passou uma semana de tormento, tão grande era o receio de ser apanhado em falta pelo auditor.

No dia em que deveria iniciar-se a auditoria, o gestor apresentou-se, pontualmente, na escola e dirigiu-se ao seu gabinete, não sem antes instruir a chefe de secretaria no sentido de mandar entrar o auditor logo que ele chegasse.

Minutos depois, aparece um sujeito de aparência distinta, com óculos escuros e uma pasta na mão. Dirige-se, secamente, à chefe de secretaria:
- O senhor gestor, por favor! …
- Venha comigo, está à sua espera!

A chefe de secretaria encaminha-o, de imediato, ao gabinete do gestor. Abre a porta e anuncia:
- O senhor auditor!

O gestor suava em bicas! Atarantado, e aos tropeções, tenta erguer-se da cadeira para balbuciar um cumprimento ao visitante, mas é abruptamente interrompido por este, que lhe ordena, com cara de poucos amigos, ao mesmo tempo que lhe aponta uma pistola, saída meteoricamente do bolso do casaco:
- Quieto! Este é um assalto. Quero todo o dinheiro que guarda nesse cofre!
- Quê?! Ah! Ah! Ah!... Ah! Ah! Ah – desata em grande gargalhada o gestor, surpreendendo o ladrão, que não esperava tal reacção.
- …?
- E eu que pensava que era o auditor! – diz o gestor. Faça o favor!
E encheu a pasta do ladrão, com alívio e secreta alegria, por, afinal, não ter sido alvo de uma auditoria mas sim de um roubo.

Esta, hein?
Bartolomeu Varela

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:47


1 comentário

De Anónimo a 16.01.2008 às 11:05

Esta anedota foi-nos contada pelo professor numa das aulas. Está nela implícita a ideia de que não basta introduzir inovações. É preciso criar condições (formação, informação, etc) para certas inovações produzam os efeitos pretendidos na educação. I Silva

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D